Ufam implementa auxílios estudantis

0
126

 

Ao todo, 347 alunos da capital foram agraciados com as 420 vagas dos auxílios de assistência estudantil fornecidos pela Universidade. Ao longo de 12 meses, os beneficiados poderão ter acesso aos recursos para custear despesas com a permanência nos cursos de graduação.

Na manhã da última quinta-feira, (14), o Departamento de Assistência Estudantil (Daest) realizou a última etapa da escolha dos graduandos da Ufam que receberão os Auxílios Moradia e Acadêmico, que corresponde a entrega dos dados bancários e participação na palestra relacionada as orientações referentes ao relatório de prestação de contas. A ação ocorreu no auditório Rio Javari, da Faculdade de Tecnologia.

Umas das estudantes que receberão o Auxílio Moradia, Isabela Apoema, soube da seleção por meio de colegas e procurou mais informações no site da Ufam para poder se candidatar. Selecionada pelo segundo ano, a estudante revela

que o benefício tem garantido a sua permanência, custeando despesas como transporte, cópias, alimentação e materiais. “Para mim, é de grande ajuda. A gente enfrenta muitas dificuldades dentro da universidade. No meu curso tem prática de campo, então, todo semestre a gente precisa comprar uma lista de materiais para levar nessa atividade e o auxílio me ajuda nesse sentido”, explica Isabela, que é oriunda de escola pública, integra uma família de quatro pessoas, na qual somente o pai está empregado no momento.

Segundo o coordenador de Benefícios Estudantis do Daest, Alex Martins, com os resultados do questionário que foram aplicados no início do ano, o setor terá maior reconhecimento da realidade socioeconômica dos estudantes de graduação da Instituição, o que possibilitará o planejamento de novas ações de acordo com a necessidade dos estudantes. “Essas ações são importantes e necessárias, pois ajudam muitos alunos. Estamos trabalhando para que sejam aperfeiçoadas internamente, mas é preciso que o Estado olhe com carinho para a assistência estudantil. Nos últimos anos ocorreu o aumento da quantidade de alunos em situação de vulnerabilidade e a redução nos recursos a serem aplicados”, explicou Alex.