Seguranças humilham e agridem entregador em shopping do Rio

0
101

Rapaz estava com a nota fiscal do produto nas mãos, e mesmo assim foi acusado de furto; um dos agressores ainda levou o cartão da vítima
O entregador Matheus Fernandes, de 18 anos, denunciou que foi agredido e ameaçado por dois homens no Ilha Plaza Shopping, na Ilha do Governador, no Rio, na quinta-feira (6). Ele foi ao centro comercial para trocar um relógio que havia comprado para o Dia dos Pais.

Em imagens registradas do incidente, é possível ver Matheus no chão, imobilizado por um homem de camisa vermelha. Outro homem, de camisa preta, participa da ação. Pessoas que estavam no shopping se aproximam e exigem que ele seja solto.

Matheus trabalha como entregador de comida por aplicativo. Ele disse que percebeu que estava sendo seguido por homens à paisana e foi abordado por eles dentro da Renner do Plaza, quando ainda esperava para ser atendido.

Os agressores ainda não foram identificados pela polícia. Segundo a Loja Renner e o Ilha Plaza Shopping, onde Matheus foi fazer a troca do presente, os agressores não são funcionários deles.

“Estava esperando pelo atendimento quando ele se aproximou de mim e disse: ‘Vamos ali’. Eu disse que não sairia dali e que não era nenhum ladrão.

Fui tratado como se não fosse nada, e ainda colocaram uma pistola na minha cabeça. E por que isso? Porque estou com um relógio bacana sou ladrão? Não sou ladrão, não”.

As imagens mostram que um segurança do Plaza chegou a presenciar a agressão, mas, no momento em que o vídeo era gravado, ele não tomou nenhuma providência. Só depois que clientes do shopping reclamaram das agressões, os dois homens saíram.

Por telefone, Matheus afirmou que os homens estavam com o documento dele. “Ele devolveu minha carteira, mas não meu cartão”.

Matheus tentou registrar o caso na delegacia da Ilha do Governador, mas foi orientado a fazer o boletim de ocorrência on-line porque os atendimentos estão restritos por conta da pandemia.

O que dizem os envolvidos
A Renner, onde o rapaz tentou trocar o relógio, disse que os agressores que aparecem no vídeo não são colaboradores.

“A Renner informa que repudia e não compactua com qualquer forma de violência e discriminação. Estamos tomando as medidas necessárias para esclarecer o fato e já nos colocamos à disposição do Matheus Fernandes para dar o suporte necessário”, afirmou.

“A empresa reitera que não teve qualquer relação com o episódio em questão. No processo de apuração interna sobre o caso, ficou claro que os agressores não integram o quadro de colaboradores ou de prestadores de serviço da Renner”, destacou.

“Já pedimos esclarecimento ao shopping Ilha Plaza para entender o que ocorreu. Também estamos colaborando com as autoridades, fornecendo as imagens de nosso circuito interno de TV proativamente para facilitar a identificação dos agressores.”

O Ilha Plaza Shopping afirmou que lamenta profundamente o ocorrido e que repudia qualquer tipo de violência. Neste momento, o empreendimento está apurando rigorosamente os fatos para tomar as medidas necessárias.

“Os agressores não são funcionários do shopping. O nosso vigilante atuou de forma a controlar a situação. Estamos buscando as informações internamente sobre o que teria acontecido para tomarmos as medidas cabíveis. O shopping repudia a violência e iremos colaborar com as autoridades”, afirmou.

De acordo com a 37ª DP (Ilha do Governador), foi aberta investigação para apurar o caso e a vítima será ouvida nesta sexta-feira na delegacia. “As imagens do circuito interno do shopping estão sendo solicitadas para que possam ser analisadas. Outras diligências estão em andamento”, informou a Polícia Civil.
Via G1/RJ