Na disputa eleitoral de 2018, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) saiu na frente na formação das chapas para as vagas de deputados estaduais e federais, no Amazonas.  A legenda foi a primeira a fechar as chapas segundo a presidente do Psol no Amazonas, Pedrinha Lasmar. O anúncio foi feito no evento para atrair mais filiações, realizado na sexta-feira (16), com a presença do presidente nacional do partido, Juliano Medeiros e outras lideranças nacionais e regionais. Foi a primeira visita da nova diretoria nacional ao Estado, que assumiu o comando do Partido em janeiro.
No caso da vaga de governador do Amazonas e das vagas no Senado, o PSOL ainda não está conversando quanto a possíveis alianças com outros partidos. “No momento, o entendimento é de que devemos trabalhar as bases. Inclusive, estamos trabalhando não apenas para 2018, mas buscando o fortalecimento já visando o pleito de 2020”, afirmou Lasmar.
O PSOL que possui cerca de 5 mil afiliados no Amazonas, segundo a direção regional iniciou o processo de atração de novos afiliados e no evento de ontem, havia confirmado 200 novas adesões. “Somos o partido que mais cresceu em adesões, com uma taxa de 40%”, disse Juliano Medeiros.
Norte
Além da estratégia de fortalecimento no Amazonas, o PSOL também iniciou um trabalho de aproximação das lideranças regionais. No evento de sexta, estavam presentes os presidentes do PSOL-PA, Lívia Duarte e do PSOL-AC, Jamir Rosas. “Vamos realizar aproximações entre os Estados pois temos problemas em comum como as questões ambientais”, destacou Rosas.
Outra questão regional importante é a crise na Venezuela e o caso dos refugiados que estão vindo para o Brasil. Na avaliação de Juliano Medeiros e do presidente da Fundação Lauro Campos, Francisvaldo Mendes, a administração Temer retrocedeu no acolhimento ao atendimento desses refugiados. “Diferente do que foi feito com os Haitianos na administração anterior”, ressaltou Mendes.
Em recente visita ao Estado de Roraima, o presidente Michel Temer anunciou diversas medidas em relação a questão dos refugiados venezuelanos.