Produtor que preservar meio ambiente deve receber recursos

0
13

O decreto para criação do REDD+ (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) Roraima foi assinado pelo governador Antonio Denarium (sem partido). Esse programa estabelece uma política de valorização de ativos ambientais que remunera os produtores pela manutenção da floresta em pé e fomenta a produção sustentável. 

Para Denarium, a criação do REDD+ Roraima representa um grande avanço na preservação ambiental. “Essa política vai combater o desmatamento e a degradação florestal. Vai possibilitar a produção em harmonia com a sustentabilidade. E o melhor de tudo é que nossos produtores serão remunerados pela manutenção da floresta em pé”, explicou.

O presidente da Femarh (Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos), Ionilson Sampaio, explicou que empresas e países que precisam pagar compensação ambiental pelos danos que causaram ao meio ambiente é que vão pagar pela preservação das florestas em pé.

“Para receberem pelos ativos ambientais que possuem, os países e estados têm que aderir ao REDD+. Vamos fazer um inventário dos ativos ambientais e colocar à disposição dos países e empresas que pagam pelos créditos de carbono, que é a compensação ambiental”, explicou.

O Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) auxilia o Governo do Estado na elaboração do REDD+ Roraima. O diretor sênior de Políticas Públicas e Desenvolvimento Territorial da instituição, Eugênio Pantoja, explicou que o programa cria uma estrutura que proporciona segurança jurídica.