Juízes Federais vão paralisar no dia 15 de março pela manutenção do auxílio-moradia

0
82

Juízes Federais aprovaram em assembleia, a paralisação das atividades no dia 15 de março, pela continuidade do benefício do auxílio-moradia. A decisão veio após a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia, ter marcado para o dia 28, o julgamento que pode extinguir o auxílio.

Segundo nota da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a contestação do auxílio é uma retaliação ao avanço da Lava Jato e à atuação dos magistrados.

Estudo Ong Contas abertas apontou que o pagamento do auxílio custou aos cofres da União R$ 5 bilhões. Entre os beneficiados está o juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, Sergio Moro, que ganha R$ 4,3 mil de auxílio-moradia apesar de possuir imóvel em Curitiba.

A nota oficial da Ajude diz que “encerrada a consulta aos associados, que integram a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), na data de ontem (28/02), os juízes federais se manifestaram, por ampla maioria, compreendendo 81% de mais de 1.300 votantes, pela realização do movimento com paralisação no próximo dia 15 de março. A indignação contra o tratamento dispensado à Justiça Federal se materializou.

A operação Lava Jato vem mudando a cultura brasileira em relação à corrupção, combatendo-a, sem limites, o que está comprovado pela condenação de diversas autoridades nacionais que ocuparam cargos expressivos, fato inédito, até então, na história da República. É bom lembrar que várias pessoas poderosas estão atrás das grades.

Assim, a forma encontrada para punir a Justiça Federal foi atacar a remuneração dos seus juízes”. A nota é assinada pelo presidente da entidade, Pedro Carvalho Veloso.