EUA: Cirurgião entra ao vivo em audiência judicial durante operação em paciente

0
11

Um médico em Sacramento, no Estado americano da Califórnia, entrou em uma audiência por Zoom de uma corte de trânsito de dentro da sala de operação.
Scott Green apareceu na tela de máscara e bata cirúrgica e, quando questionado pelo juiz sobre o fato de estar realizando um procedimento naquele momento, respondeu que estava pronto para prosseguir e que estava acompanhado de um colega, que o estava auxiliando.
O juiz, entretando, considerou não ser “apropriado” dar continuidade à sessão naquelas condições e decidiu postergar a audiência.
O conselho de medicina da Califórnia disse em comunicado que está apurando sobre o incidente e que “espera que os médicos sigam os padrões recomendados de atenção ao atenderem seus pacientes”.

O que aconteceu
A audiência do Tribunal Superior do Condado de Sacramento estava sendo transmitida ao vivo pelo YouTube quando um oficial de justiça pergunta ao cirurgião plástico: “Olá, senhor Green. Oi. O senhor está disponível para o julgamento? Parece que o senhor está em uma sala de cirurgia”.
Ao que Green responde: “Estou, senhor. Sim, estou em uma sala de cirurgia agora. Mas estou disponível para o julgamento. Pode continuar”.
O oficial de justiça informa então que a audiência estava sendo transmitida ao vivo, já que a lei exige que as sessões relativas a infrações de trânsito sejam abertas ao público. Neste momento, um policial convocado para a mesma audiência ergue as sobrancelhas.

Enquanto esperava o juiz Gary Link entrar na chamada de Zoom, Green aparentemente segue operando o paciente.
Quando Link finalmente se conecta, ele diz: “A menos que eu esteja enganado, estou vendo um réu que está no meio de uma sala de cirurgia, que parece estar ativamente envolvido na prestação de serviços a um paciente. Correto, senhor Green? Ou devo dizer doutor Green? “
Após o cirurgião confirmar que estava envolvido em um procedimento e dizer que estava pronto para seguir com a audiência, o juiz continua: “Não me sinto confortável, pelo bem-estar de um paciente, se você está no meio de uma operação enquanto está sendo submetido a juízo”.

Green insistiu que estava apto a prosseguir, e acrescentou: “Tenho outro cirurgião fazendo a cirurgia comigo, então posso ficar aqui e permitir que também faça o procedimento”.
“Acho melhor não, não acho que seja apropriado”, afirma o juiz. “Vou propor uma outra data, quando o senhor não esteja ativamente atendendo às necessidades de um paciente”.

Via. BBC Brasil