Empresário que vendeu loja para Flávio Bolsonaro diz que foi ameaçado ao tentar fazer denúncia

0
11

O Jornal Nacional teve acesso ao depoimento do empresário que vendeu uma loja de chocolates para o senador Flávio Bolsonaro, do Republicanos.

Ele afirma que foi ameaçado ao tentar fazer a denúncia de que Flávio fraudava notas fiscais. A loja do senador é alvo de investigação de lavagem de dinheiro. A reportagem é de Arthur Guimarães e Paulo Renato Soares.

Flávio Bolsonaro é dono da loja de chocolates em um shopping na Barra da Tijuca desde 2015. Ele comprou o estabelecimento do empresário Cristiano Correia Souza e Silva, que já tinha uma loja da mesma franquia num outro shopping no mesmo bairro.

Na investigação da rachadinha, o Ministério Público chamou Cristiano para prestar depoimento. O Jornal Nacional teve acesso ao que ele disse.

Cristiano disse ainda que uma consultora da Kopenhagen filmou uma venda com preço menor com o próprio telefone. A Kopenhagen confirmou ao Jornal Nacional que comprovou a denúncia de uso de preço fora da tabela e informou ainda que a loja de Flávio foi advertida e multada por causa da promoção.

As informações obtidas pelo Jornal Nacional reforçam a hipótese do Ministério Público de que havia uma engrenagem montada para esquentar dinheiro na loja de chocolates. Os promotores já apontaram no inquérito que existe uma forte suspeita de que parte dos recursos desviados da Assembleia Legislativa do Rio no esquema da rachadinha tenha sido lavada na loja de chocolates.

Os investigadores afirmam que a loja recebia mais dinheiro vivo do que outras franqueadas, em média. Os pagamentos em espécie permaneciam constantes mesmo em períodos de aumento das vendas, como a Páscoa.

Panetones, por exemplo, eram vendidos a R$ 80 quando deveriam custar R$ 100.

Cristiano disse que a prática significa uma infração contratual e, por isso, entrou em contato com a matriz, que, segundo ele, fez uma fiscalização e constatou que a operação ocorria com emissão de nota fiscal com o preço cheio, mas o cliente pagava um valor menor.