Dura fiscalização impede que fraudes em urnas sejam encobertas, diz TSE

0
89

Tem ganhado espaço nas redes sociais a tese de que as urnas podem ser fraudadas.

O candidato mais votado para presidência no primeiro turno das eleições, Jair Bolsonaro, do PSL, também lançou dúvidas sobre o funcionamento do dispositivo.

O Tribunal Superior Eleitoral defende que a fiscalização das seções e da totalização dos votos impede que possíveis fraudes sejam encobertas.

O secretário de Tecnologia da Informação do tribunal, Giuseppe Janino, ressalta que qualquer partido pode conferir o boletim da urna em todas as seções e, depois, comparar com o número usado pelo TSE para totalizar os votos.

Giuseppe defende que se uma urna fosse manipulada, isso poderia ser descoberto pelos partidos, Ministério Público ou qualquer organização da sociedade. Bastaria tirar a foto do boletim da urna após o fim da votação e comparar com os dados usados para somar todos os votos.

O secretário do TSE também lembra que a urna não é conectada à internet, não podendo ser invadida por hackers.