Amazonas tem a maior taxa de cura de hanseníase dos últimos 30 anos

0
7

O Amazonas alcançou, em 2019, a maior taxa de cura de hanseníase dos últimos 30 anos, com 92,2% de pacientes recuperados da doença. O índice inédito foi divulgado pelo Ministério da Saúde, que apresentou os indicadores de hanseníase 2019 de todas as unidades da federação. O resultado reflete a atuação do Governo do Estado, por meio da Fundação Alfredo da Matta (Fuam), responsável pelo Programa de Combate à Hanseníase, que tem intensificado o monitoramento e as ações do programa ao longo dos últimos anos.

A Fuam monitora o percentual de cura nas coortes, ou seja, em grupos de pacientes em tratamento por determinado período. Desde 1990, esta é a primeira vez que o Amazonas alcança este índice, sendo classificado com o conceito “Bom”, segundo parâmetros do Ministério da Saúde, em escala que inicia com o conceito “Precário”, para índices de cura abaixo de 75%; seguido por “Regular”, para taxas de cura entre 75 e 89,9%; e finalmente “Bom”, para os que atingem percentuais acima de 90% na cura dos pacientes.

A melhoria do indicador se deve a uma série de medidas de monitoramento dos casos de hanseníase diagnosticados em todo o estado, abrangendo ações como o acompanhamento rigoroso dos pacientes em tratamento e os testes em contatos de pacientes, ou seja, o monitoramento também daqueles que mantém contato íntimo e prolongado com um paciente de hanseníase em tratamento, normalmente seus familiares.